10 dicas para criar um bom personagem

Atualizado em 29/06/2015

Mesmo os jogadores mais experientes podem se atrapalhar na hora de criar um personagem. A criação é o ponto de partida e, por isso, uma parte bem delicada do jogo. Não se trata apenas de criar uma história, mas também de definir o “eu” do personagem.

Como criar um personagem
Crédito: Creative Commons – Flickr

1 – Um background (BG) e um personagem não são a mesma coisa. O BG é o resumo da vida do personagem. O personagem em si é a soma de todos os acontecimentos da vida dele, como ele reagiu a tudo isso e os objetivos dele.

2 – Simplicidade. É muito fácil se perder em personalidades e histórias complexas. É bom que um personagem se torne complexo ao longo das sessões, mas começar complexo pode ser uma trava para o jogador e para a crônica.

3 – Informem-se com o(a) narrador(a) sobre a campanha. Criar um personagem levando o espírito da crônica em consideração pode ser um facilitador e tanto na hora de integrá-lo à história.

4 – Esta é para iniciantes: criem personagens parecidos com vocês mesmos, só que com algumas diferenças marcantes. Assim, é possível interpretar sem muitas dificuldades.

5 – Não tentem criar personagens perfeitos. As fraquezas, assim como as forças, são partes importantes de um personagem. Um ser perfeito nem precisaria enfrentar os desafios de uma crônica.

6 – Deem uma lida nas histórias do cenário e os sistemas de regras antes de criarem os personagens. Não é preciso (nem recomendável) ler tudo, mas é bom ter alguma ideia do que vocês vão encontrar na crônica antes de entrarem nela.

7 – Pensem primeiro na pessoa e depois na criatura com poderes. Uma ficha feita antes da personalidade, BG e etc. pode criar sérias limitações na hora da elaboração de um personagem.

8 – Não fiquem chateados com o(a) narrador(a) se ele(a) vetar alguma coisa na criação do personagem. A função dele(a) é manter o universo da crônica coeso. Habilidades muito apelativas, por exemplo, costumam quebrar a coesão.

9 – Exceções numa família, guilda, alinhamento, clã, classe e etc. são, por definição, raras. Se aquele personagem fez parte da guilda de ladrões durante a vida toda e, por alguma razão, desistiu de roubar, a explicação tem que ser muito boa.

10 – Copiar e se inspirar não são a mesma coisa. Modelos de personagens servem justamente para dar ideias aos jogadores, mas copiar um personagem (seja ele um modelo ou outro personagem que o jogador tenha visto) tira um pouco da magia do jogo.




2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *